• Redes sociais:

Veja cuidados para evitar a otite neste verão

3 de abril de 2018 / Audição

Verão é época de se refrescar com banhos de mar e piscina. O tempo que passamos com os ouvidos dentro da água, no entanto, pode causar otite, doença inflamatória ou infecciosa que afeta a região. Isso porque o líquido impede a impermeabilização do conduto auditivo e permite a invasão de bactérias na pele.

Existem tipos de otite, de acordo com o local da inflamação. A que se relaciona com a umidade (causada pelo mar ou piscina) é chamada de otite externa, pois ocorre no conduto auditivo externo, onde fica a cera de ouvido.

Neste caso, a infecção pode ser causada por excesso de água nos ouvidos ou trauma local com qualquer tipo de objeto inserido na região para coçar ou “limpar”, como hastes flexíveis, grampos e tampas de canetas, entre outros.

Outro tipo é a otite média (que ocorre do tímpano para dentro), mas essa infecção é causada por vírus ou bactérias associados a problemas respiratórios como rinites, sinusites, gripes ou resfriados.

Sintomas

O quadro costuma surgir com coceira, vermelhidão e leve dor no ouvido, podendo evoluir para inchaço, produção de secreção, dor intensa e, em alguns casos, pode ocorrer também zumbido e tontura. É normal que a audição no lado acometido seja reduzida.

Na maioria das vezes, isso acontece por acúmulo de secreção, descamação da pele inflamada ou edema do conduto. Mas se a falta de som continuar após o tratamento, o motivo precisa ser investigado por um otorrinolaringologista.

A polêmica do cotonete

De acordo com todos os especialistas consultados pela reportagem, o cotonete deve ser evitado ao máximo. Isso porque remove a camada impermeabilizante que a cera dá ao conduto auditivo externo e causa microfissuras na pele do canal, o que pode levar a uma a infecção.

Além disso, ainda empurra a cera para próximo do tímpano (criando as famosas rolhas de cera).

A coceira está enlouquecedora? Melhor consultar um otorrinolaringologista, para avaliar se há alteração do conduto auditivo ou alguma doença nasal que possa ser causa dela (como a rinite alérgica). No mínimo, o profissional vai retirar o excesso de cera da forma mais segura.

Dicas para passar longe da otite

  • Enxugar os ouvidos sempre com toalha limpa;
  • Não usar fones de ouvido intra-auriculares em excesso;
  • Quando resfriado ou gripado, use soro fisiológico para lavar as narinas várias vezes ao dia;
  • As otites médias podem ser prevenidas com tratamento de rinite, vacinas para bactérias específicas (haemofilos, pneumococias conjugadas, vacina da gripe, etc), boa alimentação e vida equilibrada;
  • Ao qualquer sinal mínimo de desconforto, procurar uma avaliação de um otorrinolaringologista para tratar e evitar problemas mais graves.

Fonte: Viva Bem

Compartilhar no:

Tweet Facebook